terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Lembretes nos cadernos.

Nos cadernos de Português e Matemática costumo colocar um material para pesquisa e estudo durante todo o ano, para que o aluno avance em sua aprendizagem. É claro que em algumas atividades os alunos não poderão utilizá-lo, para não ter o hábito de copiar sem ter aprendido nada.

Esta folha é colada na primeira página do caderno de Português após a colagem da capinha. 
( marcador: capas de caderno) . 

Para as primeiras páginas do Caderno de Matemática.




Este bilhete vai para a primeira página do caderno de Para Casa, de modo a incentivar a responsabilidade para com os estudos.

Capas para cadernos - Tema: Os Pingos.


Neste ano de 2012 irei trabalhar com o Projeto "Lendo e Aprendendo com os autores Mary e Eliardo França". Há uma excelente coleção de livros que falam sobre os personagens do qual tais capinhas foram criadas, são "OS PINGOS". Durante todo este ano postarei atividades envolvendo diversos livros de Mary França. A proposta é alfabetizar utilizando os textos contidos em alguns livros desses fantásticos autores. Quanto ao projeto, estou em fase de revisão e conclusão para também postar aqui. As atividades retirarei de alguns sites da internet, claro que dando os devidos créditos, e outras serão criadas por mim. Durante o ano, outros autores, que  estudaremos em sala de aula, também serão mencionados nesse Blog.














domingo, 29 de janeiro de 2012

O precisamos saber antes de alfabetizar?


  • O que é alfabetizar?   
É tornar o indivíduo capaz de ler e escrever. É orientar o aluno ao uso da escrita e leitura de modo interpretativo, para que seja possível à criança não só ler e escrever, mas compreender o que lido e saber fazer uso da palavra.

  • O que é alfabetização?
É a ação de ensinar/ Aprender a ler e escrever.

  • O que é letramento?
É o estado ou condição de quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que usam a escrita.

  • O que significa ser letrado?
Significa ser alguém educado, culto, que tem conhecimento da língua.

  • O que significa alfabetizar letrando?
Significa desenvolver o processo de alfabetização no contexto de e por meio de práticas sociais de leitura e escrita, ou seja, através de atividades de letramento.

Exemplo: 
Sílaba não é texto fora do contexto.
Lá= sem significado.
Onde você foi? Lá = com significado.


  • Ambiente alfabetizador.
Quando o professor trás para a sala de aula a maior variedade possível de práticas sociais de leitura e escrita. É através dessa rede de práticas sociais de leitura e escrita  que o alfabetizando vai se constituindo como alguém letrado.
Este ambiente pode conter: 
- Um espaço para o alfabeto: Não apenas para ler, pois somente a leitura não avança o aluno no processo de alfabetização. Ele deve ser usado constantemente para consulta nas situações de escrita. O ideal é que o alfabeto seja composto de letras imprensa maiúsculas em destaque e os outros quatro tipos correspondentes de letras logo abaixo. Os contornos devem ser claramente identificáveis. Os alfabetos decorados podem confundir as crianças.
- Um cantinho de leitura: este local deve conter revistinhas em quadrinhos, jornais, livrinhos literários diversos entre outros.
- Cartazes contendo textos ou listas trabalhados no decorrer das aulas. Lembrando que exposição de textos e trabalhos dos alunos devem ficar expostos por no máximo uma semana de modo a não ficarem velhos e massantes.
- Calendário anual.
- Tabela numérica.

  • Estratégias  de Leitura e Hipóteses de escrita.
* Estratégia de Leitura.
É um amplo esquema para obter; avaliar e utilizar a informação. Há estratégias de seleção, de antecipação, de inferência e de verificação.

Ler é atribuir significado ao texto que se lê, é mais do que decodificar porque: Antes ou durante a leitura antecipamos o seu conteúdo através dos conhecimentos prévios ou dos elementos que o próprio texto traz.
Fazemos inferências (dedução) daquilo que não está explícito no texto com base em outras leituras ou experiências anteriores.
Buscamos  confirmação  durante a leitura através de informações contidas no próprio texto ou em nossas experiências (checagem).
Ao ler, percebemos as palavras globalmente,  selecionamos  apenas os índices relevantes.

* Hipóteses de escrita.

São as idéias que as crianças têm a respeito do que está escrito e do que se pode ler.
São as soluções que o aluno produz quando solicitado a interpretar um texto escrito por outra pessoa.
São elas:
HIPÓTESE PRÉ-SILÁBICA

Pré-silábica, sem variações quantitativas ou qualitativas dentro da palavra e entre as palavras. O aluno diferencia desenhos (que não podem ser lidos) de "escritos" (que podem ser lidos), mesmo que sejam compostos por grafismos, símbolos ou letras. A leitura que realiza do escrito é sempre global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito. 

Exemplos:











Pré-silábica com exigência mínima de letras ou símbolos, com variação de caracteres dentro da palavra, mas não entre as palavras. A leitura do escrito é sempre global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito. 



Exemplo:







Pré-silábica com exigência mínima de letras ou símbolos, com variação de caracteres dentro da palavra e entre as palavras (variação qualitativa intrafigural e interfigural). Neste nível, o aluno considera que coisas diferentes devem ser escritas de forma diferente. A leitura do escrito continua global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito. 



Exemplo:



HIPÓTESE SILÁBICA

Silábica com letras não pertinentes ou sem valor sonoro convencional. Cada letra ou símbolo corresponde a uma sílaba falada, mas o que se escreve ainda não tem correspondência com o som convencional daquela sílaba. A leitura é silabada. 

Exemplo:





Silábica com vogais pertinentes ou com valor sonoro convencional de vogais. Cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, representada pela vogal. A leitura é silabada. 





Silábica com consoantes pertinentes ou com valor sonoro convencional de consoantes. Cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, representada pela consoante. A leitura é silabada. 





Silábica com vogais e consoantes pertinentes. Cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, representada ora pela vogal, ora pela consoante. A leitura é silabada. 

Exemplo:



HIPÓTESE SILÁBICO-ALFABÉTICA


Silábico-alfabética. Este nível marca a transição do aluno da hipótese silábica para a hipótese alfabética. Ora ela escreve atribuindo a cada sílaba uma letra, ora representando as unidades sonoras menores, os fonemas. 

Exemplo:


HIPÓTESE ALFABÉTICA


Alfabética inicial- Neste estágio, o aluno já compreendeu o sistema de escrita, entendendo que cada um dos caracteres da palavra corresponde a um valor sonoro menor do que a sílaba. Agora, falta-lhe dominar as convenções ortográficas. 



Alfabética- Neste estágio, o aluno já compreendeu o sistema de escrita, entendendo que cada um dos caracteres da palavra corresponde a um valor sonoro menor do que a sílaba e também domina as convenções ortográficas.

Exemplo:


  • Organizar a rotina da alfabetização.
1 - Nos primeiros dias de aula, o professor alfabetizador tem uma tarefa imprescindível: descobrir o que cada aluno sabe sobre o sistema de escrita. É a chamada sondagem inicial (ou diagnóstico da turma), que permite identificar quais hipóteses sobre a língua escrita as crianças têm e com isso adequar o planejamento das aulas de acordo com as necessidades de aprendizagem.

Confira 3 sugestões de grupos de palavras e frases para o ditado:

Sugestão 1
CENTOPÉIA 
JOANINHA 
FORMIGA 
MINHOCA 
ABELHA 
LESMA 
GRILO
A FORMIGA MORA NO JARDIM.

Sugestão 2 
MUSSARELA 
ESCAROLA 
TOMATE 
PALMITO 
PRESUNTO 
ALHO 
ATUM

COMEMOS PIZZA DE MUSSARELA COM TOMATE.

Sugestão 3
REFRIGERANTE 
MORTADELA 
PRESUNTO 
MANTEIGA 
QUEIJO 
SUCO 
PÃO 
NO LANCHE DE HOJE TEREMOS PÃO COM MORTADELA.

2 - Planejar suas aulas após o diagnóstico concluído.

Planejar que atividades vão proporcionar o contato sistemático e significativo com práticas de leitura e escrita.
Um planejamento adequado contempla três tipos de atividades:

Atividades permanentes 
São essenciais para o processo de alfabetização. Por isso, devem ser praticadas diariamente ou com periodicidade definida e em horário destinado exclusivamente a elas. Incluem: 

1. A leitura pelo professor, feita diariamente, em voz alta, caprichando na entonação para aumentar o interesse e tomando cuidado para variar os gêneros durante o ano: contos, cartas, notícias, poemas etc. 

2. A leitura pelos alunos, feita em dias alternados com atividades de escrita, sempre tendo como objeto textos que eles conheçam de cor, como cantigas, parlendas, trava-línguas, textos informativos etc. 

3. A escrita pelas crianças, feita em dias alternados com atividades de leitura, tendo como objeto a produção de listas de nomes de colegas, de frutas, de brinquedos etc., que podem ser escritas pelos estudantes com lápis e papel ou com letras móveis. 

4. A produção de texto oral com destino escrito, feita em dias alternados com atividades de leitura, quando os alunos criam oralmente um texto e o ditam para o professor, trabalhando o comportamento escritor. 


* Sequências de atividades 
São organizadas para atingir diversos objetivos didáticos relacionados ao ensino e à aprendizagem da leitura e da escrita. Necessariamente apresentam um nível progressivo de desafios. A duração varia de acordo com o conteúdo eleito. Pode levar dois meses ou chegar a quatro, sendo praticada duas ou três vezes por semana. Visam levar as crianças a construir comportamentos leitores associados a propósitos como ler para aprender, ler para comparar diferentes versões de uma mesma obra e ler para conhecer diversas obras de um mesmo gênero. Em um bimestre, pode ter como objetivo trabalhar a leitura de contos de autores variados. Em outro, pode eleger a leitura de seções de jornal para que a turma se habitue a outro tipo de texto. 


Projetos didáticos 

São formas de organização dos conteúdos escolares que contribuem para a aprendizagem da leitura e da escrita ao articular objetivos didáticos e objetivos comunicativos. A sequência de ações de um projeto culmina na elaboração de um produto final. 

3 - Avaliar sempre  

Com base nas atividades essenciais e a frequência com que devem ser realizadas, o professor pode fazer uma programação detalhada do que vai trabalhar durante o ano . Após essa distribuição, é possível fazer agendas de 15 ou até 30 dias de aulas, dia após dia, de segunda a sexta-feira. Essa é uma etapa de grande importância no planejamento. Nela, os projetos didáticos e as sequências de atividades também são elaborados em detalhes, definindo-se justificativas, tempos de duração, materiais necessários, aprendizagens desejáveis e desenvolvimento passo a passo. 

Colocar tudo no papel faz pensar na forma de realização das atividades, além de antecipar a necessidade de separação ou de compra de materiais: que livros devo ter à mão para ler aos alunos? Quais voltarei a ler ao longo do ano? Quais devo ter em maior quantidade para permitir que todos acompanhem a leitura? Como escreveremos a lista de nomes dos alunos? Como eles vão se apresentar à turma? 

Outro cuidado importante é, logo nas primeiras atividades, identificar que habilidades, conhecimentos e dificuldades cada aluno traz de suas experiências de vida, seja em casa, seja na escola. "Esse é o momento de observar, tomar nota e refletir sobre a atuação de cada um em tarefas coletivas, em atividades realizadas em duplas ou trios e em momentos de trabalhos individuais, o que permitirá acompanhar a evolução dela no ano", orienta a pedagoga Debora Samori. 

A classe pode ter crianças em diferentes níveis de conhecimento em relação à escrita. O professor não deve encarar isso como um problema. Cada aluno é importante e traz características que devem ser identificadas e aproveitadas. A orientação é ajustar o foco, pensar nas possibilidades de interação e troca e seguir em frente com o trabalho. 

Há uma infinidade de descobertas a serem feitas por seus futuros leitores e escritores, e eles vão precisar de muitos desafios para dizer o que pensam e compreender o que leem.

  • Por que as crianças devem aprender a escrever com letra de fôrma para depois passar para a cursiva?

    Beatriz Vichessi (bvichessi@abril.com.br)

    Esta escolha está relacionada ao processo de construção das hipóteses da escrita. Durante a alfabetização inicial, os pequenos trabalham pensando quais e quantas letras são necessárias para escrever as palavras. As letras de fôrma maiúsculas são as ideais para essa tarefa, já que são caracteres isolados e com traçado simples - diferentemente das cursivas, emendadas umas às outras. O aprendizado das chamadas "letras de mão" deve ser trabalhado com crianças alfabéticas, que já têm a lógica do sistema de escrita organizada. Antes de estarem alfabetizadas, elas entram em contato naturalmente com as letras cursivas e as de fôrma minúscula e até podem ser apresentadas a elas, desde que tal contato fique restrito à leitura.

    Consultoria Cristiane Pelissari, selecionadora do Prêmio Victor Civita Educador Nota 10.


 
  • ENTREVISTA COM TELMA WEISZ
       
"A alfabetização nunca termina"

Doutora em psicologia pela Universidade de São Paulo, Telma Weisz criou o Programa de Formação de Professores Alfabetizadores (Profa), lançado em 2001 pelo Ministério da Educação. Hoje coordena um programa semelhante, o Letra e Vida, na Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. Nesta entrevista, ela destaca que a alfabetização é um processo contínuo e fala da responsabilidade da escola para combater o analfabetismo funcional. 


O que é ser alfabetizado? 
Telma Weisz Vejo a aquisição do sistema de escrita - popularmente conhecida como alfabetização e que chamamos de alfabetização inicial - como parte de um processo. Mesmo os adultos nunca dominam todos os tipos de texto e estão sempre se alfabetizando. Ser alfabetizado é mais do que fazer junções de letras, como B com A, BA. 

Qual a diferença entre alfabetização e letramento? 

Telma Weisz No passado, era considerado alfabetizado quem sabia fazer barulho com a boca diante de palavras escritas. Só então estudava-se Língua Portuguesa e gramática. Para quem acredita no letramento, a criança primeiro aprende o sistema da escrita e só depois faz uso social da língua. Assim como antes, isso dissocia a aquisição do sistema das práticas sociais de leitura e escrita. Para evitar essa divisão, passamos a usar o termo cultura escrita. 

Qual a importância do professor como leitor-modelo? 

Telma Weisz A leitura é uma prática e para ensinar você precisa aprender com quem faz. Porém, este é um nó: como formar leitores se você não lê bem? E como ler bem se você saiu de uma escola que não forma leitores? A solução é de longo prazo e requer programas de educação continuada que tenham um trabalho sistemático nessa área. Nas reuniões do Profa, eram dados três textos ao formador. Ele escolhia um e lia para os professores, que recebiam os três. Ao fim do ano, eles haviam lido 150 textos de vários gêneros. 

Como os pais podem colaborar na alfabetização? 

Telma Weisz Lendo todos os dias para as crianças. Quem passa a primeira infância ouvindo leituras interessantes se apropria da linguagem escrita. Assim, na hora em que lê e escreve de forma autônoma, já sabe o que e como produzir. Isso também possibilita à criança entender os textos que lê. 


Por que saem das escolas tantos analfabetos funcionais? 
Telma Weisz Porque a escola só reconhece como alfabetização a aquisição do sistema. Em vez de investir na competência leitora, concentra-se no ensino de gramática. Por isso há analfabetos funcionais com muitos anos de escolaridade. Formar leitores e gente capaz de escrever é uma tarefa de coordenadores, gestores e professores de todas as séries e disciplinas. Eu diria que leitura e escrita são o conteúdo central da escola e têm a função de incorporar a criança à cultura do grupo em que ela vive. Isso significa dar ao filho do analfabeto oportunidades iguais às do filho do professor universitário. 

Como reverter esse quadro?
Telma Weisz Lendo, discutindo, trocando idéias, vendo o que cada um entendeu e pesquisando em fontes diversas. É preciso tornar o texto familiar, conhecer suas características e trazer para a sala práticas de leitura do mundo real. Se a função da escola é dar instrumentos para o indivíduo exercer sua cidadania, é preciso ensinar a ler jornal, literatura, textos científicos, de história, geografia, biologia. Consegue ler bem quem teve algum tipo de oportunidade fora da escola. Os que dependem só dela são os analfabetos funcionais. E a escola faz isso porque não compreende claramente a sua função.



domingo, 8 de janeiro de 2012

Mensagem: "Mais ou menos."


A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos. A gente pode pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro. A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos...

Tudo bem! 

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum... É amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos. Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.

Chico  Xavier




Mensagem: "Lições que aprendemos com a vida."

1 - Gaste mais tempo com aqueles que fazem você sorrir e menos tempo com aqueles que você sente a pressão para impressionar.

2 - Nunca diga a alguém que seus sonhos são impossíveis. Você vai se sentir como um tolo quando ele provar que você estava errado.

3 - Não importa quantos erros você comete ou quão lento você progride. Você ainda está muito à frente de todos que não estão tentando.

4 - Arrependemos-nos das coisas que deixamos de fazer muito mais do que das coisas que fizemos.

5 - A vida será bem mais agradável quando você parar de querer ser legal e simplesmente ser você mesmo.

6 - Quando o "querer" ficar mais forte, o "como" fica mais fácil.

7 - As pessoas que estão destinadas a ficar juntas encontrarão seu caminho de volta um para o outro. Eles podem ter desvios, mas eles nunca se perderam.

8 - Não importa o quão ruim seu coração foi partido, o mundo não pára para o seu sofrimento. O sol continuará a se por e voltar no dia seguinte.

9 - Se você quiser algo na sua vida que você nunca teve, você tem que fazer algo que você nunca fez.

10 - Não é o tanto que você diz que conta, é como você faz as pessoas se sentirem.

11 - Nunca se arrepender. Se for bom, é maravilhoso. Se for ruim, é experiência.

12 - Somos todos estranhos. E a vida é estranha. E quando encontramos alguém cuja estranheza é compatível com a nossa, nós chamamos isso de amor.

13 - Tudo o que acontece na vida não é bom nem ruim. Depende apenas da sua perspectiva.

14 - Você não está sozinho. Todo mundo tem problemas. Apenas algumas pessoas são melhores em escondê-los do que outros.

15 - Não há nada para impedi-lo, exceto si mesmo0. Há apenas uma questão a se perguntar aqui: "O que você faria se você não tem medo". Pense nisso.

16 - Se você continuar fazendo o que você está fazendo, você vai continuar recebendo o que você está recebendo.

17 - Se você está sorrindo agora, você está fazendo algo certo.

18 - Não há tal coisa como "livre de risco". Tudo que você faz ou não na vida tem um risco inerente.

19 - Você será amado por muitos pelo seu jeito de ser, e por esse mesmo motivo muitos lhe odiarão.

20 - As piores decisões de sua vida você irá tomar quando estiver com um humor ruim.

Às vezes as coisas acontecem em nossas vidas e por elas serem ruins acabam nos cegando para a realidade. Às vezes temos uma vida de ouro e a desperdiçamos com nossas reclamações. Às vezes somos tristes somente pelo fato do nosso egoísmo e ambição por mais.  Na verdade muita gente desperdiça sua felicidade por não saber que já a tem, e então só passarão a entendê-la quando vier a tristeza e mostrar o tanto de tempo que eles perderam reclamando de coisas banais que não significavam nada. Quando o frio vem, e a solidão é a única por perto, é quando nos damos conta de que a vida é breve e são nos pequenos momentos que construímos nossa felicidade.